Não é preciso fazer o elogio do voluntariado dos hospitais, neste caso do hospital de Santo António, porque tudo o que é impulso para fazer bem não precisa de louvores. Encontra-se paga bastante em se ser necessário.
Servir um almoço, ajeitar uma almofada, tem mais poesia que as valsas de Strauss. Penso que o lema do voluntariado devia ser este: “O voluntariado não é uma ocupação, é uma travessia na noite onde se inventa o dia seguinte”.

Agustina Bessa-Luís
(in “Comunidade e Saúde”, Revista da LAHSA, Junho de 2003)